segunda-feira, 12 de julho de 2010

Assuntos intocáveis: o molde social

Eu andei tocando em alguns assuntos que com certeza não agradaram/agrada/agradarão algumas pessoas. Eu criei esse blog sem um intuito muito concreto, simplesmente deu vontade e eu não tinha muito o que fazer. Já fazia um tempo que eu me sentia meio vazio, inseguro demais, apesar de ter uma boa autoconfiança algo me perturbava, eu não me sentia como eu mesmo.
Não demorou muito para eu entender que esse sentimento era proveniente do molde social. Eu estava falando o que a sociedade queria ouvir, fazendo o que a sociedade esperava que eu fizesse. Eu estava virando apenas mais um.
Decidi então por para fora meu verdadeiro eu, me sentir um pouco mais livre, mesmo que isso condenasse meu conviver com a sociedade! Por isso, eu NÃO QUERO pedir minhas sinceras desculpas a ninguém que sentiu a carapuça servir! Afinal esse é um problema seu com você mesmo! Tenho recebido e-mails meio que como resposta ao que eu digo aqui. Acreditem, nada do que eu escrevo aqui é sério! Eu discordo de muitas coisas que escrevo aqui, coloco-as apenas em verdades que eu conheço, mas não como verdade absoluta. Então parem de me enviar com essa de tentar me comover pela exceção da regra, isso não vai funcionar, não me comovo com isso, muito pelo contrário, é graças ao VERDADEIRO bom religioso, ao motorista de ônibus sangue-bom e ao vagabundo escolar que tem algo na cabeça sim senhor que o mundo tem uma chance! Mas se você insistir em me ver com maus-olhos quando o que eu realmente tento apresentar é o contrário, por favor:

MORRA AGORA OU CALE-SE PARA SEMPRE!

Um comentário:

  1. Uma simples palavra pra esse post: Bravo.

    Sério, parabéns, disse tudo. Continue assim, não seja "mais um", há exceções, mas como já se diz, são poucas, então, parabéns e continue.

    Ser você mesmo é melhor a se fazer, pena que nem todo mundo pensa assim, ou melhor, pena que nem todo mundo pensa.

    kisus

    ResponderExcluir

Diga o que você bem entender sobre o post. Lerei sempre, mas nem sempre responderei.